sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

O iPod e a Globalização

O iPOD E A GLOBALIZAÇÃO

A linha de produção do aparelho é um exemplo da atual divisão internacional do trabalho
Um pequeno aparelho em sua mão, como um iPod, pode parecer algo simples, mas é um milagre do mundo moderno. Para fabricá-lo, é preciso o trabalho de milhares de seres humanos em todos os continentes, numa cadeia global. Natural¬mente, essa forma de produção é semelhante à de milhares de itens. Mas, como aparelho de última geração, o iPod - tocador de músicas e vídeos digitais da empresa norte-americana Apple - incorpora as mais recentes caracterís¬ticas da divisão internacional do trabalho.
As multinacionais espalham a cadeia produtiva por vários países, barganhan¬do com empresas e governos "vantagens competitivas": componentes mais baratos, salários e impostos menores, menos obriga¬ções trabalhistas e ambientais. Na divisão final do bolo, os países exportadores de matérias-primas acabam ficando com pou¬co, enquanto as fatias mais gordas vão para os países ricos, que controlam o comércio mundial dos manufaturados.

O DINHEIRO CONCENTRADO

Na tampa traseira do iPod, a frase "Designed by Apple in Califórnia. Assembled in China" (Projetado pela Apple na Califórnia. Montado na China) é a senha para entender como funcionam as empresas globais. A Apple não fabrica o ÍPod, pois não tem linhas de montagem, mas equipes de designers que desenvolvem as características gerais do aparelho. Ela contrata engenheiros para projetar componentes e programas e empresas para fabricar componentes e juntar as peças.
Ao passar a produção a outros, a Apple concentra-se no design dos produtos e no marketing para o consumidor e fica com o grosso do dinheiro de venda dos aparelhos, além da receita milionária das músicas e dos vídeos comprados pelo iTunes, programa que mistura tocador e loja digital. Em cada apare¬lho, a parcela correspondente à extração da matéria-prima envolvida é mínima. Nestas pá¬ginas, tratamos do quadrinho que, no diagrama da página anterior, é a manufatura. Veja como uma parte bem maior do dinheiro resultante da fabricação e venda de um iPod fica com as empresas envolvidas nessa etapa da produção. Coordenando a cadeia produtiva, a matriz fica com a parte principal do resultado.

DIFERENÇAS DE RENDA

A produção globalizada pode ir para qual¬quer lugar, mas os melhores empregos têm endereço fixo: perto da matriz. Muito antes de surgir o iPod, fabricantes de produtos eletrônicos, roupas, tênis e carros já podavam suas raízes e partiam para maquiladoras no México, oficinas no Vietnã ou para outro lugar no qual os custos de produção fossem meno¬res - muito menores - do que nos Estados Unidos, mantendo a sede da empresa no lugar de sempre. Esse processo de mudança das fábricas é chamado de re-localização.
A possibilidade de mudar as fábricas de região, de pais e até de continente, em bus¬ca de mão de obra barata, foi facilitada pela expansão da internet nos últimos anos e se tornou um argumento importante para os em¬presários pressionarem os trabalhadores nos países desenvolvidos a aceitar uma redução em seus ganhos e direitos. O processo atinge, sobretudo, os assalariados fabris e o pessoal menos qualificado em geral. O alto escalão das firmas globais teve o nível de emprego pouco afetado e mantém salários altos.

01 - Matriz

A Apple, como outras multinacionais, cria os produtos, contrata e organiza os fornecedores de componentes e serviços, os canais de venda e distribuição, enquanto concentra na matriz a divulgação da marca, alimentando o desejo do consumidor.

02 – Matérias primas e energia

O mais sofisticado produto sempre começa com elementos simples, como areia e carvão. As matérias-primas envolvidas na produção dos aparelhos eletrônicos vêm, na maior parte, dos países em desenvolvi¬mento da África, da América Latina e da Ásia. É a parte da cadeia produtiva que fica com a menor parcela do valor, pois os produtos não são industrializados ou são pouco industrializados.

O PERIGO DA DEPENDÊNCIA

Importar matéria-prima barata, processá-la com sua vasta mão de obra e revendê-la por um preço bem maior são a estratégia chinesa que permite que, mesmo importando minério de ferro, a China seja o maior exportador mundial de aço (feito com o ferro). O país drena matérias-primas do mundo todo e as industrializa em suas fábricas, fazendo produtos com maior valor agregado. As nações fornecedoras, porém, podem ficar dependentes, caso o destino de suas exportações esteja concentrado em um só país.

03 - Componentes de alto valor

Cerca de 82% do custo de fabricação de um iPod concentra-se em nove componentes, a maioria produzida exclusiva¬mente para o aparelho por grandes empresas localizadas na maior parte em países desenvolvidos ou altamente industrializados.
04 - Componentes de baixo valor

Dúzias de empresas anônimas competem ferozmente para fornecer parafusos, capacitores e outras centenas de pecinhas baratas que compõem o iPod e suas partes mais caras.

05 – Manufatura

Montar, testar e embalar dezenas de milhões de iPods necessita do trabalho de dezenas de milhares de trabalhadores braçais - o que os países asiáticos possuem de sobra a um custo muito baixo. No caso do iPod, a montagem do aparelho é feita na China. É para lá que convergem todos os componentes.

06 - QUEM COMPRA O iPOD

A maior parte do faturamento da Apple vem de suas lojas nos Estados Unidos, seguido pelas vendas no Japão. Empresas que compram para revender os aparelhos pelo mundo, inclusive no Brasil, vêm depois
Distribuição da faturamento, em %*

UM SUCESSO COMERCIAL

O esforço dos 41 mil trabalhadores encontrados pela Universidade da Califórnia resultou na venda de 39,4 milhões de iPods em 2006. Nos últimos dois anos, a venda cresceu ainda mais
LOJA VIRTUAL Os ganhos da empresa com a comercialização do iPod não se esgotam na venda do aparelho. Ele serve como loja de bolso, pelo qual a Apple pode vender qualquer tipo de arquivo digital Enquanto gravadoras e lojas pelo mundo vêem as vendas de CDs despencar, o Apple comemorava em janeiro de 2009 a venda de 6 bilhões de músicas desde a abertura de sua loja virtual flanes, em 2003, o que faz dela a maior vendedora de música nos EUA.

SÓ PARA RICOS

O países ricos, concentrados sobretudo na Europa, na América do Norte, na Ásia (Japão) e na Oceania, dominam a exportação de manufaturados (produtos industrializados). Â África, a América do Sul e Central, a C.E.l. (Comunidade dos Países Independen¬tes, ou seja, a ex-União Soviética) e o Oriente Média têm a maior parte de sua renda externa na exportação de matérias-primas (cammodities) minerais ou agrícolas.

07 - MAIS SOFISTICAÇÃO, MAIS DINHEIRO

Podemos concluir que o maior volume do dinheiro resultante da venda do aparelho vai para países que fornecem os componentes identificados no ipod, logicamente mais sofisticados, com maior valor agregado.

COMÉRCIO COMPLICADO

O saldo comercial entre chineses e norte-americanos (exportações menos importações) é amplamente favorável à China, e cada iPod enviado do Oriente para a Apple, nos EUA, contribui cora 144,40 dólares para isso. Mas, na prática, menos de 3% desse dinheiro fica com os chineses. A maior parte do total foi gasto com a compra de componentes feitos em países vizinhos ou por empresas multinacionais instaladas em território chinês.

A PARTE DO LEÃO

Segundo pesquisada Universidade da Califórnia, dos 299 dólares cobrados pelo iPod, em 2005, a Apple ficava com 80 dólares brutos, enquanto distribuidores e revendedores dividiam 75 dólares.

A DIVISÃO DOS GANHOS

NA margem finai, a Apple fica com a maior parte dos ganhos com o iPod. O custo de produção de cerca de 144 dólares, como está explicado no alto da página, é dividido entre muitas empresas. É ele que paga toda a cadeia produtiva. Um sobre-valor é adicionado para remunerar a cadeia de comércio que leva o iPcd ao consumidor.
DOMÍNIO A China compra boa parte do petróleo produzido na África e, com isso, acaba exercendo certo domínio sobre os países exportadores. Dois terços das exportações do Sudão e um terço das de Angola foram para a China em 2004. Mas, enquanto esses e outros países reduziram sua dependência em 2005, a República do Congo a ampliou.

MEGA PRODUÇÃO DA CHINA

China é um dos maiores produtores mundiais de minérios e derivados e depende de importações para suprir sua produção para as exportações e para o mercado interno de 1,3 bilhão de pessoas.

ONDE ESTÃO OS TRABALHADORES

A pesquisa da Universidade da Califórnia estima que, em 2006, 41 mil pessoas trabalharam na cadeia dos iPods, desde a produção de componentes até a venda ao consumidor. Metade dessa força de trabalho é composta de operários asiáticos. A conta exclui os trabalhadores envolvidos na extração e na preparação das matérias-primas, antes do início da manufatura
CONTRASTE No país-sede da Apple, o grosso dos empregos está no setor terciário: marqueteiros, especialistas em finanças, vendedores, assistência técnica... Repare que as menores rendas aqui se encontram bem acima do ganho médio dos engenheiros na China.

DISTRIBUIÇÃO DOS TRABALHADORES

Nos Estados Unidos, quase metade dos trabalhadores relacionados ao íPod ganha salários altos. Já em outros países, 90% da força de trabalho tem baixa renda

CONCENTRAÇÃO DA RENDA

As diferenças profissionais e salariais (mapa acima e tabela à esq.) concentram a renda do iPod. Com um terço dos trabalhadores, os EUA ficam com 70% da renda produzida pelo produto

FORÇA DE TRABALHO CHINESA

Cerca de 30% da força de trabalho incluída no estudo da Universidade da Califórnia vive na China, em linhas de montagem ocupadas principalmente por mulheres - escolhidas por serem consideradas mais dóceis. A maioria dessas fábricas é de componentes e pertence a empresas com sede em vizinhos mais ricos, como a japonesa Toshiba.

ALTO ESCALÃO

Empresas de Taiwan são as principais responsáveis pela montagem dos iPods, mas só o alto escalão fica no país. Suas linhas de montagem estão todas localizadas na China.

ÁSIA, ORIENTE MÉDIO, AMERICA IATINA e ÁFRICA

O estudo da Universidade da Califórnia não inclui 05 milhares de pessoas que alimentam o processo produtivo com energia e matérias-primas, mas, pelo fluxo de importações de matérias-primas, podemos deduzir onde elas estão. Diversos países pobres, sobretudo da África, acabam dependentes de uma única matéria-prima de exportação e de poucos ou um só comprador, o que reduz a capacidade de negociar e coloca os trabalhado¬res em situação de miséria. Mesmo onde a situação é menos dramática, como no Peru e no México, há mineiros recebendo menos de 240 dólares por mês (cerca de um salário mínimo brasileiro).

Por Wiliam Taciro e MKanno

Para saber mais leia: Atualidades vestibular 2009 – Ed. Abril

Um comentário:

  1. Gosto muito dos artigos de ótima qualidade do seu Blog. Quando for possível dá uma passadinha para ver nosso Curso de Informática Online. Lucas

    ResponderExcluir